Contato

Introdução
A Peça
Sinopse
Texto
Cenografia
Cenas
Ficha Técnica
Diretor
Elenco
Depoimentos
Mídia
> Peça Curta
> Performance
> Palestra
O Pai da Aviação
Curiosidades
O Pai da Aviação (por Henri Lalli) Santos Dumont é, na realidade, uma figura ímpar em toda a história da humanidade. Dos grandes inventores, é o que realizou suas invenções mais jovem. Sem exageros e sem ufanismo, se nos detivermos para avaliar, veremos que não foi pouco o que esse brasileiro que fez.
....Pelo mundo a fora, no entanto, Santos Dumont muitas vezes não é se quer conhecido e, quando isso acontece, não é unanimidade como autor do primeiro vôo de um avião. Os irmãos estadunidenses Wright, pelo seu suposto vôo de 1903, geralmente levam a fama - mesmo na França em que há Ader, Pénaud e os irmãos Voisin em disputa pela autoria. Segundo muitos franceses, por exemplo, em 1908 Gabriel Voisin fez o primeiro vôo autônomo (não conseguido pelos Wright antes dele) e a primeira curva (não havida no vôo do 14 bis), portanto é ele o inventor do avião. Além desses pioneiros, Langley e Whitehead (nos Estados Unidos), Lilienthal e Jatho (na Alemanha), Cayley, Stringfellow e Henson (na Inglaterra), Degen (na Áustria), Mozhaiski (na Rússia) e Pearce (na Nova Zelândia), também são cogitados como "Pais da Aviação"; variando pela definição do conceito do que se deve considerar "avião" ou "primeiro vôo" e do nível científico e de veracidade das provas existentes. Anésia ao lado de Michael Collins, o comandante da Apolo 11Em meio a essa polêmica toda, Santos Dumont foi reconhecido pela comunidade aeronáutica quando, em 1973, seu nome foi conferido a uma cratera da Lua. A solenidade da nomenclatura (foto ao lado) contou com a presença da aviadora pioneira brasileira Anésia Pinheiro e Michael Collins, comandante da Apolo 11 e diretor do Museu do Ar e do Espaço da Smithsonian Instituition (EUA) à época, e aconteceu no dia 20 de julho, o mesmo dia em que o homem pisou pela primeira vez na Lua (em 1969), e em que nasceram Santos Dumont (1873) e seu pai Henrique Dumont (1832). Vale observar que não existe cratera " Irmãos Wright", nem "Voisin", "Jatho", "Pearce"...
....A história do “homem voador”, até Santos Dumont, passa por visionários (como o italiano Leonardo da Vinci), inventores que puseram balões no ar (como o padre brasileiro Bartolomeu de Gusmão) e outros homens audaciosos que conseguiram planar em aeroplanos (como os irmãos americanos Wright). Dois grandes problemas continuavam insolúveis: a dirigibilidade de um balão (o chamado “mais leve que o ar”) e fazer levantar vôo um aeroplano por seus próprios meios (o “mais pesado que o ar”) - já que até então eram arremessados ao ar com a ajuda de barrancos, declives, ventos, cavalos, lanchas, catapultas etc. Dirigível Santos-Dumont Nº 5Dissera Santos Dumont: “a direção dos balões e o vôo mecânico eram problemas insolúveis”, e ele mesmo, no entanto, resolveu os dois problemas, construindo, e ele próprio experimentando, o primeiro balão dirigível (o Nº 5 - na foto ao lado) e, cinco anos depois, o primeiro avião (o 14 bis). Isso tudo sozinho; os irmãos Wright, por exemplo, trabalhavam em dois e conseguiram fazer levantar vôo autonomamente seu “mais pesado que o ar” somente após doze anos, contra os apenas três de Santos Dumont. Santos Dumont vivia a arriscar a vida, sofreu inúmeros acidentes; numa época em que muitos outros já haviam morrido em experimentos aéreos, como o alemão Otto Lilienthal e o brasileiro Augusto Severo.
....Alberto Santos Dumont tinha avós paternos franceses, nasceu em 1873 em João Gomes, paróquia pertencente à época à cidade mineira Barbacena. Em 1889, João Gomes recebeu autonomia e passou a chamar-se Palmyra e em 1932, uma semana após a morte de Santos Dumont, recebeu o nome de seu filho mais ilustre. Foto: SAC (Sociedade dos Amigos do Culto à Ciência)Seu pai teve na época 60 fazendas na região de Ribeirão Preto (onde hoje é a cidade de Dumont), era o maior fazendeiro de café do mundo e lhe proporcionou o melhor estudo, em Campinas (no Culto à Ciência - na rara foto acima, o aluno ao centro), e depois em São Paulo, Ouro Preto, Rio de Janeiro e Paris. ....A fortuna do pai garantiu-lhe também conforto por toda a vida. Na França, a princípio, dedicou-se ao automóvel - promoveu corridas e trouxe o primeiro deles para rodar em nosso chão, um Peugeot. Logo depois, empregou-se como piloto de balões e não tardou a mandar construir um para si, o “Brasil”, com um projeto que obteve a incredulidade de todos. Já aí começou sua fama, pois era o menor balão já construído. Daí em diante, projetou ou construiu ele próprio uma série de mais de vinte veículos entre balões, dirigíveis, aviões e até um helicóptero e uma lancha, os quais batizava com número. Tinha inúmeras amizades e um jeito estranho de se vestir. Foi ídolo da época, imitado e cortejado, não somente por suas conquistas, sua extrema coragem e genialidade, mas por sua simpatia e uma qualidade pouco lembrada por todos: a generosidade. (continua)